Arquivo da categoria ‘A Cidade do Sol

O simples ato de esperar!!!   5 comments

tumblr_mkwczedghy1rm0w10o1_500

O casamento pode esperar; a educação, não!!!   Leave a comment

 

livro+a+cidade+do+sol+mille+splendidi+soli+khaled+hosseini+idioma+italiano+sao+paulo+sp+brasil__9E311D_1

“Sei que você ainda é pequena , mas quero que ouça bem o que vou lhe dizer e entenda isso desde já, disse ele. O casamento pode esperar; a educação, não. você é uma menina inteligentíssima. É mesmo, de verdade. Vai poder ser o que quiser, Laila.”

A Cidade do Sol – Khaled Hosseini

(Blog Metamorfoseana – http://metamorfoseana.wordpress.com/)

Publicado 20/01/2014 por Berma em A Cidade do Sol

De todas as dificuldades…   Leave a comment

tumblr_mkwczedGHy1rm0w10o1_500

Publicado 27/04/2013 por Berma em A Cidade do Sol, Minha estante

Etiquetado com ,

A Cidade do Sol – Khaled Hosseini   4 comments

A CIDADE DO SOL

Sinopse: Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: “Você pode ser tudo o que quiser.” Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do “todo humano”, somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.
O livro conta a história de duas mulheres afegãs. A primeira, Mariam, que nasceu de um relacionamento fora do casamento entre Jalil, um homem rico, e Nana, uma empregada. Isso significa que Mariam é uma harami (bastarda). Jalil assume a menina como sua filha, mas para não desonrar a família compra um casebre, longe da cidade, e “acomoda” as duas. Nana é uma mulher amargurada e triste. Tenho a impressão de que a essência dela não é essa, mas a vida tratou de ensinar essa mulher a não confiar nas pessoas.
Nana ocupa pouco tempo da história. Quando Mariam faz 15 anos, ela se mata, deixando Mariam sozinha, a não ser pelo pai, Jalil, que vive na cidade com esposas e filhos, que ao contrário da menina do casebre, vivem confortavelmente em uma casa grande e cheia de empregados. Ao chegar na casa do pai, Mariam é mal tratada pelas esposas de Jalil e, contra a vontade é obrigada a se casar com um sapateiro chamado Rashid, 30 anos mais velho que ela. Casados, eles vão morar em Cabul.
O único motivo pelo qual ele se casa com a menina Marian é a vontade de ter filhos. Ou melhor, filhos homens. Rashid é um homem extremante cruel e ao descobrir que a esposa é estéril passa a desprezá-la. É aí que começa a sessão de violência gratuita que chega a dar nós na garganta.
Marian já é uma mulher, que carrega muitas marcas da vida, quando conhece Laila, 19 anos mais nova. Ela é filha de um professor universitário, e como um intelectual pensava de forma diferente do restante do mundo afegão. Ele sempre a garantia, “Você pode ser o que você quiser”. Diferente de Mariam, Laila fora instruída, chegou a freqüentar a escola e nutria uma paixão adolescente por Tariq, seu amigo de infância.
Á essa altura a guerra está a todo vapor no Afeganistão, especialmente em Cabul. Os bombardeios são constantes e todos os dias pessoas são mortas nos combates. É desse jeito que os pais de Laila morrem. Sozinha, ela é acolhida por Mariam e Rashid, que a obriga a se casar com ele e conceder os filhos que ele tanto deseja e que Mariam não pôde dar.
O desenrolar da história apresenta as transgressões pelas quais as mulheres afegãs passam. Violência de todas as espécies. Ela são humilhadas, abusadas sexualmente. Rebaixadas ao pó. É cruel a maneira com que o fundamentalismo afegão enxerga as mulheres.
Khaled Housseini narra a história em 3ª pessoa com maestria. As cenas são contínuas e não há repetição do enredo. Enquanto Marian sofre uma ação, o resultado é visto pelo ponto de vista da Laila. O que dá dinâmica ao texto. As duas personagens sofrem a mesma violência, mas elas enxergam os abuso de forma diferenciada.
Uma das coisas que mais gostei no livro foi a passagem histórica vivida no Oriente Médio. Khaled nos conta como é a guerra de um jeito mais humano, do ponto de vista daqueles que fazem a experiência de uma guerra todos os dias. Os corações moles, (como eu) , não vão conseguir ler o livro sem aquele nó na garganta. Ainda mais porque sabemos que essa guerra não é uma obra de ficção.
O regime talibã é exposto em sua sutil brutalidade. Ver o impacto de um conjunto de normas que transformam a mulher num mero acessório do homem é chocante e revoltante, porém esclarecedor. Não há como não torcer para que ambas possam sair daquela claustrofobia fundamentalista e esperar a cada página que elas alcancem a liberdade.

Nunca se esqueça disso, Mariam.   Leave a comment

cidade_do_sol

“Aprenda isso de uma vez por todas, filha: assim como uma bússola precisa apontar para o norte, assim também o dedo acusador de um homem sempre encontra uma mulher a sua frente. Sempre. Nunca se esqueça disso, Mariam.” (A Cidade do Sol – Khaled Hosseini, p. 12) 

Publicado 02/04/2013 por Berma em A Cidade do Sol, Minha estante, Romances

Etiquetado com , ,

%d blogueiros gostam disto: